Home > Destaque > A história de Rosetta Tharpe, conhecida como a madrinha do Rock

A história de Rosetta Tharpe, conhecida como a madrinha do Rock

27 de abril de 2016, por Mariana Ramos
Música
Rosetta Tharpe

Conhecida por muitos como “a madrinha do rock’n roll e do blues”, Rosetta Atkins Tharpe Morrison, ou simplesmente Sister Rosetta Tharpe como ficou conhecida, nasceu em 20 de março de 1915 na cidade de Cotton Plant, no estado de Arkansas, Estados unidos. Filha de Katie Bell Nubin, uma colhedora de algodão e membro da pentecostal Igreja de Deus em Cristo, aos seis anos de idade Rosetta mudou-se com a mãe para Chicago, no fim da década de 20.

Nesse período a cidade vivia um verdadeiro boom de migrantes afro-americanos do Sul, que geralmente deixavam a vida rural e as colheitas de algodão para trás em busca de melhores condições de vida e trabalho. Enquanto acontecia a inevitável fusão de influências culturais e musicais como o jazz e blues, Katie, que era fervorosa pregadora da palavra de Deus, entendeu que sua filha era um prodígio da música.

Rosetta desde muito cedo mostrou seu dom como cantora, guitarrista, compositora e performer, levada por sua mãe, cantava de igreja em igreja mostrando sua naturalidade e descontração, era capaz de alternar muito facilmente do piano para guitarra, sem parar de cantar, o que lhe deu grande notoriedade e um público extremamente fiel.

Rosetta Tharpe, a madrinha do rock

Rosetta Tharpe, a madrinha do rock (Foto: Reprodução)

Nascida Rosetta Nubin, seu sobrenome Tharpe foi registrado com erro de ortografia, quando casou-se com o pastor Thomas Throrpe, seu primeiro marido aos 19 anos. Infeliz com o casamento, Rosetta separou-se e foi para Nova York, onde faria grande sucesso ao começar a cantar na famosa night club Cotton Club, onde se apresentavam artistas como Cab Calloway, Count Basie, Billie Holliday e muitos outros. Apesar da época de grande hostilidade e segregação racial, onde haviam estabelecimentos “só para brancos”, os grandes músicos do Cotton Club e das rádios eram todos negros.

Como o público que amava ouvir os godspells das igrejas era totalmente diferente da audiência do Cotton Club e das casas noturnas, Rosetta, sem abandonar sua raiz gospel fez uma adaptação no seu estilo de cantar com as grandes bandas que tocavam na noite, o que resultou na guinada de sua carreira e na gravação de seu primeiro disco gospel, aos 23 anos pela Decca Records, com os sucessos “The Lonesome Road”, “Rock me”, “My Man and I”“That’s All”.

Rosetta Tharpe, tocando "This Train"

Rosetta Tharpe, tocando “Didn’t it Rain” (Foto: Reprodução)

Mesmo durante a segunda guerra mundial, Rosetta continuou cantando e gravando, era uma dos dois único artistas gospel autorizados a gravar para os soldados no exterior. Era a favorita dos soldados negros do exército. Sua música de 1944 “Strange Things Happening Every Day” é considerado por muitos do meio musical como a primeira gravação de rock n’roll.

Em um período onde o racismo imperava, Tharpe era uma mulher de fé, livre e vivia quebrando barreiras sociais. Além de ter se tornado muito rica, dividiu diversas vezes o palco com artistas brancos, com os quais entrou em turnê, entre eles o grupo Jordannaires, um quarteto só de homens. Sua vida afetiva foi repleta de “affairs” com homens e mulheres, até que casou-se pela segunda vez com Russel Morrison, em uma cerimônia aberta ao público, no Griffith Stadium em Washington.

Rosetta viveu em turnê, e além das casas noturnas, nunca deixou de cantar na igreja. Com uma carreira já sólida e sendo uma celebridade, seu público começou a se misturar para a literalmente dividir o mesmo espaço físico, o que parecia impossível com a segregação racial. Mas por ser uma artista nata, autêntica, e rebelde com o poder dar “alma” a sua guitarra, Tharpe foi grande influência para vozes vindouras do rock, como Chuck Berry, Elvis PresleyJerry Lee Lewis e muitos outros.

Com a morte de sua mãe em 1963, entrou em depressão e sua saúde se deteriorou, agravando seu quadro de diabetes, levando a amputação de uma de suas pernas. Rosetta morreu em 1973 na Filadélfia aos 58 anos, por complicações da doença. O último vídeo que se tem de Rosetta é de seu último show em Copenhagen, Dinamarca.

Em 2008 o governador da Pensilvânia declarou feriado dia 11 de janeiro “Sister Rosetta Tahrpe’s Day”.

Matérias Relacionadas
Joe Louis
Festival BB Seguridade de Blues e Jazz chega a São Paulo no dia 1 de julho em evento gratuito
Samsung Blues Festival
Samsung Blues Festival mantém viva a energia do blues no Teatro Opus
Blues
Samsung promove ‘Mostra Blues’ e prepara a cidade para imersão no universo desse gênero musical
Fotógrafo Sérgio Poroger ilustra Rota do Blues em livro e exposição em Brasília

Deixe um comentário

onze + 8 =