Home > Destaque > Banda punk ‘Detratores’ disponibiliza prévia de álbum composto nos anos 80

Banda punk ‘Detratores’ disponibiliza prévia de álbum composto nos anos 80

22 de maio de 2017, por Norberto Liberator Neto
Música

Não é novidade alguma dizer que a capital sul-mato-grossense, conhecida por ser o principal reduto do chamado sertanejo universitário, é uma cidade de longa tradição no rock underground. Pode ser algo ignorado por grande parte do Brasil, mas ainda assim não deixa de ser um fato.

O mais novo exemplo de que Campo Grande vai além de Luan Santana, Michel Teló e Camaro Amarelo (com todo o respeito) é o som belo e sujo dos Detratores. A banda, mesmo com a formação incompleta, registrou e disponibilizou no YouTube cinco músicas do álbum ‘Mundo Podre S/A’, que traz, pela primeira vez, as versões em estúdio de canções compostas, em parte, ainda nos anos 80.

O homem por trás de todas as letras, do baixo pulsante, do nome e da ideia da banda é Ravel Giordano Paz, escritor, professor na Universidade Estadual de MS e, pode até não parecer, punk até o osso. Já quem assina a produção e segura guitarra e bateria é Fillipe Saldanha, vocalista da excelente Codinome Winchester, uma das principais promessas da cena indie brazuca.

Foto: Divulgação

Tudo feito no estúdio do produtor e no quarto do próprio Ravel, com cuidado para soar com a sujeira necessária. Este colunista que vos escreve também deu sua contribuição, desenhando o logotipo da banda – e a capa, que será divulgada junto com o álbum já pronto.

A primeira faixa disponibilizada é ‘Arquivos de Guerra’, uma canção “ramoniana” com melodia que gruda na mente, cuja letra é um recado voraz aos defensores de políticas de guerra. Destaque para o timbre de Ravel, que lembra algo entre Marcelo Nova e Nasi nos primórdios do Ira!.

Logo em seguida, vem ‘Enquanto Comemoram’, que prossegue na levada a la Ramones e traz, na letra, uma crítica à desigualdade e seus efeitos: denuncia a pobreza extrema de uns “enquanto outros comemoram e só se importam com seus dedos e anéis”.

 

Batidas no bumbo anunciam a entrada de ‘Truculus’, cujas mudanças bruscas de ritmo e melodia me remetem a Dead Kennedys. A letra é sobre pessoas que levam um estilo de vida conformista ou autodestrutivo e que pensam ser livres ou felizes, quando não deixam “de ser mais um escravo”.

‘O Rumor’, curtíssima, é a mais psicodélica. A letra, cantada de forma muito rápida, é um poema concreto ao melhor estilo Augusto de Campos, musicado por um grindcore acústico, que pode assustar os menos avisados.

‘O Ovo da Morte’ é apocalíptica na letra e na música. A melodia soturna lembra passagens cadenciadas de algumas músicas do Dead Kennedys. Ravel canta, de maneira dramática, sobre a distopia que é o mundo atual: um lugar atolado em miséria e tecnologias criadas para a destruição.

O álbum completo deve ser lançado ainda este ano, também em versão física. Até lá, a gente vai ouvindo as cinco faixas que podem ser conferidas abaixo:

Matérias Relacionadas
Festival celebra 40 Anos de Punk no Sesc Pompéia
Asteroides Trio lança novo EP com participação de Gabriel Thomaz, do Autoramas
Ramones
Disco Music e Punk Rock dois estilos bem diferentes e que têm tudo a ver
Três Acordes pelo Mundo: conheça o plural movimento punk finlandês

Deixe um comentário

vinte + 9 =