Home > Cinema & TV > Bonequinha de Luxo e o surgimento da mulher moderna e independente

Bonequinha de Luxo e o surgimento da mulher moderna e independente

14 de julho de 2015, por Paola Limeira
Cinema & TV
Bonequinha de Luxo

Breakfast At Tiffany’s, ou Bonequinha de Luxo, como ficou conhecido em português, é um filme de 1961 que tem base no livro homônimo de Truman Capote. Apesar de parecer apenas mais uma comédia romântica fofa, este clássico marca o surgimento da mulher moderna diante das telas de cinema, um reflexo da sociedade sessentista que já se mostrava aberta para novas ideias.

A personagem principal Holly Golightly (Audrey Hepburn) mora em Nova Iorque, é “acompanhante de luxo”, recebe 50 dólares para ir ao toalete e almeja um dia casar com um homem rico. Ela se envolve com o novo vizinho Paul Varjak (George Peppard), que é sustentado por uma mulher casada (Patricia Neal) com quem tem um caso.

Bonequinha de Luxo

George Peppard e Audrey Hepbur em cena de festa (Foto: Divulgação)

Capote pensou logo em Marilyn Monroe como atriz ideal para interpretar Holly, como uma opção óbvia e estereotipada. Marilyn recusou o papel por achar que faria mal à sua imagem, então, Audrey Hepburn aceitou, mesmo acreditando que não se encaixaria.

Logo na primeira cena, Holly aparece descendo sozinha de um táxi na vazia Quinta Avenida, usando um vestido preto Givenchy, uma tiara brilhante, colares de pérolas, óculos escuros e luvas de noite, tomando seu café da manhã simples, enquanto olha a vitrine da luxuosa loja de joias Tiffany & Co.

Audrey Hepburn na cena clássica em frente a Tiffany & Co

Audrey Hepburn na cena clássica em frente a Tiffany & Co (Foto: Divulgação)

Imagine uma época em que o padrão feminino de Hollywood eram mulheres com corpos voluptuosos, e só essas eram dignas de se pensar que faziam sexo. Ou, então, as eternas virgens à espera do “príncipe encantado”, lugar esse que essa Holly, com as características da elegantíssima Audrey Hepburn deveria se encaixar na sociedade. Mas, não.

O filme traz essa mudança de estereótipos, com uma Holly elegante e independente, mostrando que poderia existir outro modelo de mulher entre esses dois polos. Aquela que tem estética de bailarina, é solteira, bebe, se enfeita, se diverte quando e onde quiser. Vaidosa por natureza, trabalho ou opção?

Provavelmente, muitos dos amantes deste clássico não absorveram isso no exato instante, e, certamente, muita gente atualmente poderia até achar exagero um filme desse ter essa relevância toda. Principalmente porque realmente existiram outras muitas produções com personagens femininos fortes e independentes antes desse, mas o que vale ressaltar é que, infelizmente, nenhum fez tanto sucesso. O motivo talvez seja o tal: “eu faço o que eu quero e ninguém tem nada a ver com isso” que uma atriz com o estereótipo de papéis ingênuos como Audrey fez reverter para o estilo “mulher sofisticada de ressaca”.

Bonquinha de Luxo e o famoso gato amarelo

Bonquinha de Luxo e o famoso gato amarelo (Foto: Divulgação)

A influência do filme atingiu uma escala tão significativa que até a Sociedade Americana para a Prevenção da Crueldade contra os Animais obteve uma enxurrada de pedidos para adoção de gatos amarelos. Uma curiosidade é que Audrey disse que a cena mais difícil da carreira dela foi mandar o gato ir embora.

A supervisão de figurino foi por Edith Head que não gostou muito de ter que usar os vestidos de Hubert de Givenchy. Foi em Bonequinha de Luxo que consagrou a parceria Audrey e Givenchy que, prontamente, se transformou em amizade.

O longa venceu o Oscar de Melhor Trilha Sonora Original e Melhor Canção com “Moon River”, de Henry Mancini, música que, reza a lenda, quase ficou de fora, se não fosse a contestação de Audrey dizendo que a canção só seria retirada por cima do cadáver dela.

O site de críticas Rotten Tomatoes (existente desde 1998) aprova com 88%, a conclusão: “O filme contém alguns anacronismos feios, mas o diretor Blake Edwards esteve no auge do seu humor nesse clássico, e Audrey Hepburn sem dúvida brilha na tela”. A leveza, a trilha sonora, o figurino adicionado à “farsa real” da encantadora Holly fazem deste filme um verdadeiro sucesso.

E você, o que acha de Bonequinha de Luxo?

Matérias Relacionadas
Aprenda a preparar Quiche Lorraine, receita que protagoniza cena do filme “Ladrão de Casaca” (1955)
Oxford anos 50 feminino
Breve história dos sapatos: os anos 1950
Um corpo que cai
10 clássicos do cinema que estão escondidos na Netflix
Eva Wilma e Nicette Bruno estrelam peça do clássico de 1962 ‘O Que Terá Acontecido A Baby Jane?’

5 Responses

Deixe um comentário

5 − quatro =