Home > Destaque > Coletânea brasileira homenageia disco de estreia das riot grrrls Bikini Kill

Coletânea brasileira homenageia disco de estreia das riot grrrls Bikini Kill

26 de abril de 2018, por Jane Galaxie
Música
Bikini Kill

Considerada pioneira do movimento Riot Grrrl, a banda norte americana Bikini Kill comemora em 2018 os 25 anos do lançamento de Pussy Whipped, seu disco de estreia. Notório por letras com conteúdo feminista radical e performances incendiárias, o grupo acaba de ganhar uma coletânea brasileira que revisita o álbum. Insubmissas – 25 anos de Pussy Whipped tem assinatura do selo paulistano Hérnia de Discos.

Formada em Olympia, Washington, em 1990, Bikini Kill contava com a vocalista e compositora Kathleen Hanna, o guitarrista Billy Karren, a baixista Kathi Wilcox e a baterista Tobi Vail. Influenciada pelo hardcore e pelo punk, lançou dois álbuns, vários EPs e duas compilações, se separando em 1997. Pussy Whipped o primeiro álbum oficial da banda, conta com músicas que revolucionaram o feminismo jovem nos anos 90 e continuam como principal referência de bandas de mulheres no rock.

Capa da Coletânea

Capa da Coletânea (Foto: Divulgação)

Em uma homenagem da nova safra de bandas nacionais, o Hérnia de Discos lança uma releitura do disco com versões feitas pelas bandas Diablo Angel, Lâmina, Belicosa, Bertha Lutz, Framboesas Radioativas, Miêta, In Venus, 3D, Bloody Mary Una Chica Band, Charlotte Matou um Cara, Trash no Star e Readymades.

As bandas foram escolhidas a dedo. Todas estão ativamente trabalhando em algo relacionado à música e tem uma atitude riot grrrl”, explica Cintia Ferreira, uma das idealizadoras do selo.

Desirée Marantes e Cintia estão a frente do Hérnia de discos. Calcado na produção musical feminina e com vasta experiência no underground, o selo quer unir forças e abrir espaço para projetos integrados por mulheres no cenário musical independente.

Diversas iniciativas vêm sendo trabalhadas por elas, junto a um grupo de colaboradoras espalhadas entre São Paulo e Porto Alegre, como circuito de shows, experimentações com pedais de efeitos, transmissões ao vivo, produção de shows e apoio ao projeto Girls Rock Camp.

Banda In Venus

Banda In Venus (Foto: Gi Meira)

“A música ainda é uma área predominantemente masculina e a gente quer ampliar os espaços para as minas, meio como um ‘all girls to the front’ só que mais direcionado a composição, produção, tudo que for relacionado a criação e produção musical”, conta Desirée.

Começar o ano com uma proposta tão forte dá indícios da intenção do selo: “Temos muitos planos pros próximos meses, passando por lançamentos de bandas já consagradas e apostas em novas artistas. Faremos mais uma experiência em nossa residência musical e prevemos pistinhas com o Hérnia Fest, além de pocket shows na garagem T-Recs, QG do selo”, diz Cintia. Dá para acompanhar de perto as apostas do Hérnia aqui. Abaixo, confira a coletânea Insubimissas – 25 anos de Pussy Whipped.

Bancamp: https://herniadediscos.bandcamp.com/releases

Insubimissas – 25 anos de Pussy Whipped

Blood One – Diablo Angel
Alien SheLâmina
Magnet – Belicosa
Speed Heart – Bertha Lutz
Lil’ RedFramboesas Radioativas
Tell Me So – Miêta
SugarIn Venus
Star Bellied Boy – 3D
Hamster Baby (Ratoncito Bebito) Bloody Mary Una Chica Band
Rebel Girl – Charlotte matou um cara
Star FishTrash no Star
For Tammy Rae – Readymades

Matérias Relacionadas
Kathleen Hanna
Kathleen Hanna: Há mais de 20 anos cantora já iniciava canções de protesto

Deixe um comentário

onze − um =