Home > Cinema & TV > Entenda a história de Mad Max: Estrada da Fúria

Entenda a história de Mad Max: Estrada da Fúria

24 de maio de 2017, por Eduardo Molinar
Cinema & TV
Mad Max

Assim que Mad Max – A Estrada da Fúria, ou Mad Max 4, chegou aos cinemas, causou ótimas e más impressões. Logo que o filme foi anunciado no Facebook surgiram frases como “Mad Max sem Mel Gibson não é Mad Max”. Equivocadamente eu compartilhava desta opinião até ver o primeiro trailer. Para nós, os fãs da franquia, seria a continuação de uma das melhores histórias de ação do cinema; para quem não conhecia o personagem Max Rockatansky, havia uma expectativa grande de como seria a “insanidade” que o longa prometia.

No entanto, as pessoas que não assistiram aos filmes anteriores saíram do cinema confusas e sem entender o porquê da busca pela gasolina e quem havia sido Mad Max antes daquela história. Portanto, esse texto visa esclarecer e explicar os elementos que formaram Mad Max – A Estrada da Fúria.

Max Rockatansky

Interpretado por Mel Gibson nos três primeiros filmes (1979, 1981 e 1985), Max era um policial na Austrália do futuro. A polícia que aparece no primeiro filme equivale à nossa polícia rodoviária, mas com um caráter de gangue e com um efetivo bem reduzido. Max tinha uma esposa e um filho, os quais tem uma morte trágica, o que o influencia a largar tudo para buscar vingança. No quarto filme foi brilhantemente interpretado por Tom Hardy, que colocou seu estilo de atuação sem competir com Gibson e foi fiel ao original.

Mel Gibson como Mad Max

Mel Gibson como Mad Max em 1979 (Foto: Reprodução)

Pós apocalipse desde 1979

Mad Max nunca foi e jamais será um filme convencional. Desde o primeiro filme, ambientado na Austrália “pós apocalíptica”, onde há uma crise grave de combustível e rodovias tomadas por gangues de motoqueiros, a loucura e a insanidade já eram presentes. Um filme com poucos diálogos, muitas cenas de violência e corridas, ângulos de câmera nada hollywoodianos, o Mad Max de 1979 inaugurou um outro tipo de filme de ação.

Assistindo a esse filme você conseguirá entender a verdadeira essência da franquia, como a eterna luta por gasolina, o “culto” aos veículos policiais de perseguição V8 e a insanidade dos personagens. A cada filme, a civilização como conhecemos vai se extinguindo, dando lugar a personagens e locais mais caóticos e excêntricos.

Mad Max

Gangue do filme 2. Excêntricos e insanos, os “aiatolás do rock’n’roll” (Foto: Reprodução)

Carros e motos envenenados

Nos quatro filmes da franquia, os veículos são uma peça importante do longa. No primeiro, os carros eram em sua maioria V8 e envenenados, inclusive os da polícia. As motos também não ficavam atrás. Para o primeiro filme, devido ao baixo orçamento, a Kawasaki doou 23 motos ao diretor George Miller. Todas elas foram destruídas, pois o filme conta com cenas de ação reais. Nenhum efeito visual ou de computação gráfica (que engatinhava na época) foi usado. Até a van do próprio diretor não foi perdoada e foi destruída nas cenas iniciais do primeiro filme.

Mad Max

Max e o grupo de crianças que acreditava que aquela civilização – mundo de “hoje” ainda existia (Foto: Reprodução)

Caos, insanidade e uma nação sem pátria

A história de Mad Max se passa no futuro. Você deve ter notado que todos os personagens têm seu nível de insanidade e existe uma causa para isso. No primeiro filme, a gangue de motoqueiros tinha integrantes bem fora da casinha, que só queriam saber de gasolina, matar e estuprar. Em uma fala de Max, dá a entender que eles ficaram assim por ficar muito tempo nas rodovias; No segundo filme já havia uma pequena vila fortificada que abrigava uma refinadora de gasolina.

Dessa vez, bandidos loucos com moicanos, roupas sado – masoquistas e carros e motos adulterados tentavam tomar a refinaria. O terceiro filme é ainda mais estranho, pois Max é feito prisioneiro em uma cidade que tenta se levantar das cinzas e usa metano como combustível. Logo depois se encontra com um grupo de crianças que o ajudam e, pela primeira vez nos filmes, são mostradas cenas da destruição da antiga civilização. Inclusive alguns cartões postais de Sidney aparecem destruídos.

Deixe um comentário

6 − 1 =