Home > Cinema & TV > 10 clássicos do cinema que estão escondidos na Netflix

10 clássicos do cinema que estão escondidos na Netflix

1 de setembro de 2016, por Priscilla Gomez
Cinema & TV
Um corpo que cai

Está com aquele tempinho livre e não sabe o que fazer para sair do tédio? Nada melhor que assistir um bom filme. Atualmente, a Netflix ganhou um grande espaço na vida de milhares de pessoas, com filmes e séries para todos os gostos. Se você é apaixonado por grandes clássicos, o Universo Retrô elaborou uma lista com 10 filmes que foram produzidos entre os anos 50 e 70 e que estão disponíveis no canal de streaming.

1 – Janela Indiscreta, 1954: Com direção de Alfred Hitchcock, esse é um daqueles filmes que parece nos transportar para dentro do mistério. Um suspense que prende a atenção e traz a curiosidade sobre o possível assassinato. Será que o vizinho é mesmo um assassino? Só assistindo para saber.

Cena de Janela Indiscreta

Janela Indiscreta,1954 (Foto: Reprodução)

2 – Testemunha de Acusação, 1957: Com direção de Billy Wilder, o filme retrata um advogado totalmente dedicado ao trabalho, a ponto de deixar de lado até mesmo sua saúde. Tudo começa quando o advogado é procurado por Leonard Vale (Tyrone Power) suspeito de assassinar uma viúva para receber a herança. Sir Wilfrid (Charles Laughton) embora impedido de advogar grandes casos devido a sua saúde frágil, aceita o caso e se dedica completamente. O longa conta com a atuação de Marlene Dietrich como Christie Vale, esposa de Leonard Vale e personagem de extrema importância no desenrolar da trama.

Testemunha de Acusação

Testemunha de Acusação, 1957 (Foto: Reprodução)

3 – Um corpo que cai, 1958: Mais um suspense de Alfred Hitchcock para prender a atenção do começo ao fim. Com James Stewart, Kim Novak e Barbara Bel Geddes no elenco, o filme traz uma mistura de romance e suspense de perder o fôlego com um final surpreendente.

James Stewart

Um corpo que cai ,1958 (Foto: Reprodução)

4 – Quanto mais quente melhor, 1959: A dupla atrapalhada Joe (Tony Curtis) e Jerry (Jack Lemmon) se transformam em Josephine e Daphne para escapar de uma quadrilha após presenciarem um massacre, porém acabam se metendo em uma confusão atrás da outra. Com Marilyn Monroe no elenco e direção de Belly Wilder, a comédia garante boas risadas do começo ao fim. Recebeu o Oscar de melhor figurino.

Quanto mais quente melhor

Quanto Mais Quente Melhor de 1959 recebeu Oscar de melhor figurino (Foto: Reprodução)

5 – Psicose, 1960: Um clássico do terror e inspiração principal dos filmes atuais de serial killer, Psicose traz misteriosos assassinatos ligados ao Hotel Bates. É impossível não tentar descobrir quem é o assassino ao longo do filme. Com direção de Alfred Hitchcock, não poderíamos esperar menos que um suspense com final surpreendente.

Psicose

Um clássico do terror e inspiração principal dos filmes atuais de serial killer (Foto: Reprodução)

6 – Amor, sublime amor, 1961: Para os amantes de música e dança, o musical retrata uma briga de gangues de uma forma diferente. Os confrontos entre os Sharks e Jets retratado através da dança tem passos incríveis para se inspirar. Um filme incrível e dançante, para tirar o sofá da sala e se soltar. Recebeu dez, sim, dez premiações do Oscar, incluindo: Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Ator Coadjuvante (George Chakiris), Melhor Atriz Coadjuvante (Rita Moreno), Melhor Direção de Arte, Melhor Fotografia, Melhor Figurino, Melhor Edição, Melhor Som e Melhor Trilha Sonora. 

Amor Sublime Amor

Amor Sublime Amor, recebeu 10 premiações do Oscar (Foto: Reprodução)

7 – Bonequinha de luxo, 1961: Adaptado do livro homônimo de Truman Capote. Com Audrey Hepburn no elenco e figurinos simplesmente incríveis, o filme retrata a vida de Holly (Audrey Hepburn) que ganha a vida como acompanhante de luxo e tem o sonho de se casar com um homem rico e tornar-se atriz. Porém, o plano dá errado ao se apaixonar por Paul Varjak. Recebeu o Oscar de Melhor Trilha Sonora e Melhor Canção Original. Uma curiosidade é que inicialmente o papel de Holly seria de Marilyn Monroe.

Bonequinha de luxo

Bonequinha de luxo

8 – O sol é para todos, 1962: Com direção de Robert Mulligan, aborda o preconceito racial. Um preconceito que começou séculos atrás e infelizmente dura até hoje. Ao mesmo tempo retrata a inocência das crianças e nos faz pensar em como o mundo seria melhor se todos pensassem como elas. Um filme tocante, daqueles que arrancam lágrimas e causam aquela pontada de revolta contra os padrões da sociedade. Recebeu o Oscar de Melhor Ator para Gregory Peck, Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Direção de Arte.

O Sol Nasce para Todos

O Sol Nasce para Todos

9 – Perdidos na noite, 1969: Joe troca o interior pela cidade grande para começar uma nova vida a partir da prostituição, mas as coisas não tão fáceis como ele imagina. No meio de toda dificuldade acaba nascendo uma amizade entre Joe (Jon Voight) e Rico (Dustin Hoffman), um trapaceiro sem limites. Com direção de Josh Schlesinger, retrata a amizade em meios as dificuldades da vida. Recebeu o Oscar de Melhor filme, Melhor diretor e Melhor roteiro adaptado.

Perdidos na Noite

Perdidos na Noite

10 – Carrie, a estranha, 1976: Baseado em um romance de Stephen King. Retrata a realidade de adolescentes que sofrem bullying todos os dias, porém o que não contavam é que na verdade Carrie (Sissy Spacek) possui fortes poderes e perde o controle sobre si ao ser atormentada de forma cruel durante o baile. O filme possui duas regravações, uma em 2002 com Angela Bettis como Carrie e outra em 2013 com Chloe Moretz.

Carrie, a estranha, 1976

Carrie, a estranha, 1976

Matérias Relacionadas
Cinema clássicos
Desafio Universo Retrô: Você assistiu 25 de 100 filmes clássicos
As Telefonistas
10 frases da série ‘As Telefonistas’ para refletir
Desventuras em Série
Desventuras em Série: Segundo ano fica mais sombrio, porém, mantém a essência
Brinquedos que marcaram épocas
Netflix mostra que brinquedo não é coisa de criança em novo documentário

Deixe um comentário

um × cinco =