Home > Design > Leica M-D: Câmera digital sem visor promete a experiência da fotografia analógica

Leica M-D: Câmera digital sem visor promete a experiência da fotografia analógica

8 de junho de 2016, por Lucas Vieira
Design
Câmera Leica

Chegou ao mercado uma novidade da Leica com cheirinho de coisa antiga. A marca alemã, conhecida como a principal boutique de fotografia, traz ao mercado a Leica M-D, primeira câmera digital produzida em série sem um visor de LCD. Homenageando a linha M, que a empresa lançou nos anos 50, a câmera traz a experiência da fotografia analógica para o mundo digital, apenas com os controles essenciais para fotografar, focando na fotografia em sua forma mais pura.

A Leica é uma marca que produziu seu primeiro protótipo de câmera em 1923. Uma das maiores referências no campo fotográfico, a empresa é especialista nas máquinas rangefinders, também conhecidas como telemétricas. São câmeras de alta qualidade profissional, caracterizadas por serem mais leves que as tradicionais DSLR, terem um sistema de foco extremamente preciso e pela produção de imagens com muita nitidez.

Nicholas La

Foto de Nicholas La tirada com uma Leica M-D

O modelo M-D tem o design que remete às Leicas clássicas. Desenho quadradinho, mistura de metal com outros materiais de cor preta, visor ocular, dial traseiro de controle do sensor e ausência de flash embutido – porém, com a tradicional sapata para incluir acessórios.

Leica, modelo M-D

Leica, modelo M-D (Foto: Divulgação)

Como já dito, o objetivo da Leica M-D é proporcionar a experiência da fotografia analógica com a tecnologia digital. Seu sensor é em tamanho full frame, o que garante que a foto saia no mesmo tamanho que o dos tradicionais filmes de 35mm, sem fator de corte, e suas imagens são feitas somente em formato RAW (extensão DNG).

Conhecido como o negativo digital, o padrão exige que você “revele” digitalmente as fotos – que são feitas em um tamanho de até 24 megapixels — em um editor de imagens. É a sensação total de estar lidando com filmes, porém com o armazenamento em cartões SD e SDHC.

Leica, modelo M-D

Leica, verso do modelo M-D (Foto: Divulgação)

Os únicos controles possíveis na câmera são o de sensibilidade ISO (que varia entre 200 e 6400) e velocidade do obturador, além do disparador – que é muito silencioso, diferente da maioria das câmeras antigas que tinham aquele som delicioso – que permite os modos simples, contínuo e temporizador (timer). Fora isso, ainda há a possibilidade de fotografar com prioridade de abertura. As configurações de foco, distância focal e abertura de diafragma devem ser feitos na lente, que deve ser comprada à parte.

Rui Palha

Foto de Rui Palha tirada com uma Leica M-D

Em 2014 a Leica produziu a Leica 60, uma edição limitada da linha M comemorando os 60 anos de seu primeiro modelo, a M3. Com produção de somente 600 câmeras, a câmera também não possuía visor e foi comercializada por 12.000 euros (R$ 36.000 na época). A M-D chega trazendo a maioria das características de sua antecessora, porém, agora produzida em série, vendida no mercado por US$6.000 (R$ 20.940).

Cartier Bresson

Cartier Bresson usando uma Leica (Foto: Reprodução)

É um equipamento de luxo, direcionado para o público que domina as técnicas de fotografia manual e procuram um produto de extrema qualidade. Não é à toa que a marca é a favorita de monstros como Henry Cartier Bresson e Sebastião Salgado.

Matérias Relacionadas
Foto por Tito Portinho
Fotógrafo paulistano faz registros da cidade com uma câmera do século XIX

Deixe um comentário

um × cinco =