Home > Cinema & TV > Desventuras em Série: A saga melancolicamente deliciosa dos irmãos Baudelaire

Desventuras em Série: A saga melancolicamente deliciosa dos irmãos Baudelaire

18 de janeiro de 2017, por Aline Lima
Cinema & TV
Conde Olaf e os irmãos Baudelaire

Quando os primeiros acordes da música de abertura de Desventuras em Série, cantada por Neil Patrick Harris (Conde Olaf), somos desencorajados a continuar assistindo pois só o que vamos encontrar ali é triste e sombrio, mas tenho que dizer que mesmo com todo o esforço da Netflix não foi possível nos deixar longe da história dos irmãos Baudelaire.

A saga de Violet (Malina Weissman), Klaus (Louis Hynes) e a bebezinha Sunny (Presley Smith) Baudelaire, que perderam os pais em um trágico incêndio e são obrigados a morar com Conde Olaf, é contada pelo “autor” Lemony Snicket, interpretado maravilhosamente bem por Patrick Warburton, que melancolicamente nos alerta para os “horrores” que estão no caminho das crianças, e pede para que se você for um ser humano descente assista algo mais alegre.

Lemony Snicket

Lemony Snicket (Foto: Divulgação)

Essa quebra de 4ª parede coloca a história nos trilhos, explica os caminhos que fizeram os Baudelaire tomarem determinadas atitudes durante a saga, por muitas vezes inclusive dando spoiler sobre o que está por vir. Lemony também nos deixa curiosos ao citar Beatrice, uma mulher da qual não temos informações, mas sabemos que foi alguém muito importante para o narrador.

Vale destacar aqui que a todo momento temos a sensação de que algo muito maior está acontecendo, uma trama que vai sendo construída aos poucos. É essencial aqui prestar atenção ao que se está assistindo, pois cada dialogo, ou mesmo objetos em cena, podem oferecer uma pista importante do enredo e até mesmo do desfecho desses acontecimentos.

Conhecida pela sua atenção aos detalhes, a Netflix criou aberturas com letras diferentes, contando o que podemos esperar desses episódios, aliás pequenos spoilers permeiam toda a história. Para cada uma das adaptações dos livros, são 2 capítulos por livro e ao todo foram 8 episódios, ou seja, a 1ª temporada cobre os 4 primeiros volumes da saga.

 Juíza Strauss

Juíza Strauss (Foto: Divulgação)

A ambientação, que poderia ser comparada facilmente com as melhores obras do diretor Tim Burton, como A Lenda do Cavaleiro Sem Cabeça, por exemplo, é outro ponto interessante da peça, pois não fica claro em momento nenhum o período, ou local, exato em que a história acontece é mais fácil misturar épocas e criar uma identidade própria e atemporal.

O figurino, e os acessórios, dos personagens tem uma aparência bem retrô, alguns objetos de cena também passam a impressão de algo antigo e as crianças não usam celulares, por exemplo, mas em determinado momento Conde Olaf diz ter comprado uma ampulheta online. O seriado, porém, é muito mais sombrio do que o filme de 2004 com Jim Carrey, apesar dos dois terem o roteiro assinado pelo autor dos livros.

O fato do principal roteirista da série ser Daniel Handler, que usou o pseudônimo de Lemony Snicket para escrever os 13 livros de Desventuras em Série, colaborou muito para que a história não se perdesse e alcançasse sucesso, mesmo os fãs mais críticos estão satisfeitos com a adaptação. A direção, que também está de parabéns, ficou dividida entre Barry Sonnenfeld (MIB – Homens de Preto), Bo Welch (produtor em MIB – Homens de Preto) e Mark Palansky (Penelope).

Tio Monty

Tio Monty (Foto: Divulgação)

Todos os atores aqui conseguiram imprimir carisma, e personalidade aos seus personagens. Temos, por exemplo o Sr Poe (K. Todd Freeman) que é um funcionário de banco incompetente e que sempre coloca as crianças em apuros; o divertido Tio Monty (Aasif Mandvi); e a medrosa, e apaixonada por gramatica, tia Josephine (Alfre Woodard), que vão tentar cuidar das crianças e protegê-las das ambições do Conde Olaf; além da boa Juiza Strauss (Joan Cusack), que também quer o bem dos Baudelaire.

Tia Josephine

Tia Josephine (Foto: Divulgação)

Durante toda a primeira temporada descobrimos que Conde Olaf é quase um mestre dos disfarces, na verdade as crianças são as únicas que conseguem perceber quando se trata do vilão disfarçado, Neil Patrick Harris tem a chance aqui de interpretar diversos personagens distintos, e os executa brilhantemente. Os companheiros de teatro do Conde Olaf são também seus capangas, e cuidam para que os planos malvados de seu chefe deem certo.

Cada uma das crianças tem uma personalidade forte e distinta. Violet é uma líder nata, e inventora, ela pode construir qualquer coisa com os materiais mais inusitados, Klaus ama livros e aprende muito com eles, Sunny é engraçada, as “traduções” que são feitas da sua “linguagem de bebê” vão te fazer rir durante horas.

A segunda temporada de Desventuras em Série já foi confirmada pela Netflix, sem previsão de estreia, dessa vez adaptando os 5 próximos livros da saga dos irmãos Baudelaire. Quais serão os infortúnios que os aguardam?

Matérias Relacionadas
As Telefonistas
10 frases da série ‘As Telefonistas’ para refletir
Desventuras em Série
Desventuras em Série: Segundo ano fica mais sombrio, porém, mantém a essência
Brinquedos que marcaram épocas
Netflix mostra que brinquedo não é coisa de criança em novo documentário
Everything Sucks
Everything Sucks: Com nostalgia dos anos 90, Netflix divulga teaser e data de estreia de sua nova série

Deixe um comentário

seis + 13 =