Home > Destaque > Shows internacionais, veteranos e novatos da cena nacional fecham última noite do Psycho Carnival

Shows internacionais, veteranos e novatos da cena nacional fecham última noite do Psycho Carnival

15 de fevereiro de 2018, por Mirella Fonzar
Música
Psycho Carnival

Depois da intensa maratona de shows, a 19* edição do Psycho Carnival chegou ao fim. A última noite do evento aconteceu na segunda-feira (12) e reuniu diversas atrações de peso no Jokers Pub, em Curitiba.

Abrindo a noite, o duo paulistano Voodoo Brothers apresentou ao público seu som autoral cheio de referências, que vão do Psychobilly e Rockabilly ao Garage Rock e Blues. Apesar da banda contar apenas com dois integrantes, Vinci Bueno (voz e guitarra) e Camila Lacerda (backing vocal e bateria) deram conta do recado e mostraram que música boa se faz também com poucos elementos. Destaque para Green Kahuna, que leva o nome do novo CD da dupla e apresenta diversos elementos indígenas unidos ao rock ‘n roll.

Outro ponto alto da apresentação foi o momento em que a baterista Camila, que comemorava seu aniversário de 28 anos naquele dia, foi surpreendida pela visita de seus pais, vindos diretamente de São Paulo, com um buquê de flores no palco, ao final do show.

Voodoo Brothers (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Logo em seguida, os paraguaios do Luisonz trouxeram seu irreverente Psychobilly – uma mistura de Cramps e Mamona Assassinas – para animar a galera. No palco, durante todo o show, uma dançarina plus size agita e dança ao som da banda. Os integrantes vestem roupas engraçadas e perucas e não poupam as piadinhas sobre sexo, drogas e rock ‘n roll, além de mostrarem saber bastante sobre o Brasil, inclusive, seus memes. Destaque para a última música do set list; eles fecharam o show com o hino punk brasileiro, Nicotina, da banda Os Replicantes.

Luiszons (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Depois, foi a vez dos catarinenses do Tampa do Caixão agitarem o wreaking com o seu Psychobilly cantado em português e cheio de letras de horror. Apesar de uma corda de guitarra a menos logo no início do show, o quarteto de Joinville não deixou a peteca cair e continuou dando o máximo de si. Destaque para a presença de palco e energia do vocalista Bronco Billy, que aproveitou para homenagear o músico Caio Durazzo, com o som Pomba Gira.

Tampa do Caixão (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Entre as três primeiras bandas da noite, fomos surpreendidos novamente com o show burlesco de Larissa Maxine, a Mulher-Diaba. Ela, que já havia subido no palco na segunda noite do festival, retornou, trazendo novas performances. Dessa vez, trocando as plumas por um show de pirofagia ao som de Devil Doll.

Mulher-Diaba (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Em seguida, subiu ao palco a banda Wild Rooster, da Suécia, trazendo seu “Teddy Boy Rock” ao Psycho Carnival. Com grande energia, o quarteto apostou em clássicos do rockabilly e rock ‘n roll, como Drinking Wine Spo-dee-o-dee, ao lado de sons autorais, como Ride on Rebels, para agitar a galera, que dançou, cantou e pulou durante toda a apresentação. Grande destaque para o guitarrista solo, Kim Amberg, que trouxe riffs precisos a todo momento.

Wild Rooster (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Logo depois, foi a vez dos veteranos do Mullet Monster Mafia agitarem a galera com seu Power Surf avassalador. Como de costume, o som instrumental autoral da banda não deixou o wreaking parar nenhum segundo. É nítida a interação e sintonia entre o trio de Piracicaba / Curitiba a cada apresentação. Destaque para o guitarrista e seus super chutes durante o show (ele realmente está superando seus limites a cada apresentação).

Mullet Monster Mafia (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Fechando a noite, os veteranos do Hilbilly Rawhide trouxeram sua nova formação ao Psycho Carnival. No lugar do piano, a banda conta agora com banjo, o que deixou o som ainda mais “Hillbilly”. Liderada por Mutant Cox (voz / guitarra / violão), a banda curitibana, que já comemora 15 anos de estrada, novamente levou o público do Psycho Carnival a loucura com seus sons autorais cantados em inglês e português, fechando o evento em grande estilo.

Hillbilly Rawhide (Foto: Daise Alves / Universo Retrô)

Matérias Relacionadas
Wild Rooster
Após show no Psycho Carnival, Wild Rooster concede entrevista ao Universo Retrô
Kingargoolas
3º noite do Psycho Carnival é marcada por shows intensos
13 Bats Psychobilly
Veja o que rolou na 2º noite do Psycho Carnival
Primeira noite do Psycho Carnival 2018 traz diversidade musical ao festival curitibano

Deixe um comentário

2 − um =