Home > Música > Tudo o que você precisa saber sobre rockabilly

Tudo o que você precisa saber sobre rockabilly

18 de setembro de 2012, por Mirella Fonzar
Música
Quarteto de 1 milhão de dólares

Definitivamente a música – boa, que fique claro –  é algo atemporal. O que acontece é que alguns ritmos, mesmo ultrapassando gerações, trazem consigo atitudes características de determinada época. Esse é o caso do Rockabilly, uma vertente do rock ‘n roll, nascido nos anos 1950 nos Estados Unidos, que se transformou num estilo de vida para muita gente, inclusive no Brasil.

Além da música popularizada por nomes como Elvis Presley, Jerry Lee Lewis e Carl Perkins, alguns detalhes são considerados essenciais para os amantes do gênero. São eles: a dança, os penteados repletos de topetes, costeletas e franjinhas, as roupas e acessórios com referências de época (vestidos acinturados, jaquetas de couro, etc), os cadillacs, e por aí vai.

A tribo dos topetes

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Nascida nos anos 1950, a tribo perdeu espaço na década de 1960 por conta dos movimentos hippie e flower power nos Estados Unidos, e só foi retomar a sua popularidade nos anos 1970, com uma nova vertente tomada por bandas como Crazy Cavan e Stray Cats. Já no Brasil, o movimento chegou nos anos 1960 com a Jovem Guarda, retornando também na década de 1980, com o surgimento de grupos nacionais, como Coke Luxe.

O baixista paulista Danyael Lopes, das bandas Johnny Donald e The Nashville Killers, conta que a cena de rockabilly no Brasil vem mudando bastante desde os anos 1980. “É legal ver uma molecada de 20 e poucos anos conhecendo coisas obscuras e, ao mesmo tempo, trazendo novidades”, acredita o músico.

Danyael explica ainda que antigamente a tribo era muito restrita, mas isso também mudou bastante. “Hoje, temos lanchonetes temáticas, opções de festas e ainda conseguimos encontrar as músicas na internet, sem precisar pagar fortunas em discos raros como acontecia nos anos 1980.”, completa.

Lugares para ouvir e dançar

Para os amantes brasileiros do rockabilly, em São Paulo existem alguns bares e casas noturnas dedicados ao estilo. No The Clock Rock Bar, em Perdizes, por exemplo, tudo é inspirado nos anos 1950. Desde o cardápio, com os tradicionais hambúrgueres e milk-shakes, até a decoração, as roupas dos funcionários e a música. As festas acontecem de sexta a domingo, às 21h, com entrada que varia de R$ 15 a R$ 28.

The Clock

The Clock (Foto: Reprodução)

A casa também abriga aulas, em horários alternativos, para quem quer aprender a dançar. “Além das pessoas e o ambiente serem ótimos, toca um rockabilly ao vivo e antes da baladinha tem uma pequena aula de dança, que cada vez que eu via instigava mais minha vontade de aprender a dançar. Por conta disso, me matriculei no curso aos sábados.”, conta Letícia Gonçalves, frequentadora da casa e aluna do primeiro módulo do The Clock.

Uma opção recém lançada na capital paulista, para quem quer badalar, é a festa de Rockabilly e Lindy Hop do Bourbon Street, em Moema. Com cadeiras afastadas que abrem espaço para a pista de dança, a casa conta com banda ao vivo e discotecagem uma quinta-feira por mês. A entrada custa de R$ 28 a R$ 35. “Pessoas que não dançam também podem se divertir, pois as bandas sempre serão gostosas de ouvir e assistir”, diz Paula Febbe, idealizadora do evento.

Outra balada mensal que vem ganhando espaço na capital é a Rockabilly Dancin Party, no Fordiesel Club, na Rua Augusta – acontece em um domingo por mês, das 17h às 22h. A festa conta com discotecagem dos DJs Ailton Rockabilly e Leandro Rocker, também colecionadores de discos de vinil e compactos 45 RPM, que homenageiam grandes nomes do gênero a cada edição. Em 23 de setembro, é a vez de Janis Martin sacudir a pista. A entrada custa R$ 13.

Rockabilly Dancin Party com Grilos Barulhentos

Rockabilly Dancin Party com Grilos Barulhentos (Foto: Reprodução)

O Biroska, na Santa Celília, também abriga periodicamente uma matinê dos anos 1950 e 1960, com muito rockabilly ao vivo e discotecagem. Denominada Pin Up’s Party, a festa acontece sempre no terceiro domingo do mês a partir das 17h e, eventualmente, nas noites de sábado. No ínicio do baile acontece, gratuitamente, instruções de dança para quem quer pegar o jeito. Para entrar na casa, é cobrada uma entrada no valor de R$ 18.

Além das festas fixas citadas, na capital paulista vira e mexe há baladas itinerantes de rockabilly, como é o caso das noites organizadas por Alexandre YÉ, do Tennessee Rock Club. A próxima festa vai acontecer no Dex Bar, na Rua Augusta, neste sábado – dia 22 de setembro. A discotecagem especial Eddie Cochran fica por conta de YÉ, Sid Nelson e Wagnão e a entrada é de R$ 5.

Onde tudo começou

O cantor Carl Perkins, autor do hit “Blue Suede Shoes”, costumava dizer que o Rockabilly é uma espécie de “blues com uma batida country”. Essa talvez seja a maneira mais simples de descrever as origens e a sonoridade do gênero, que mistura referências da música negra (blues) e da música branca (country/hillbilly).

Elvis Presley

Elvis Presley (Foto: Reprodução)

Mas, não se pode falar neste tipo de som sem citar Sam Phillips e sua gravadora Sun Records. No auge do separatismo racial americano, o empresário foi responsável por  levar à sociedade WASP (White Anglo-Saxon Protestant) músicos brancos que cantavam e dançavam como negros, fazendo surgir também um estilo comportamental essencial na luta pela igualdade.

Segundo datam historiadores, o marco zero do rock aconteceu em 6 de julho de 1954, quando Elvis Presley,  Scotty Moore e Bill Black entraram, sem muitas pretensões, nos estúdios da Sun, em Memphis, para gravar o blues “That’s All Right Mamma”, de Arthur Crudup. Numa versão com uma dose de swing, a música se tornou um dos primeiros hits rockabilly e o jovem Elvis logo foi coroado Rei do Rock.

Depois disso, outros músicos brancos de sucesso foram descobertos por Phillips e ganharam repercussão mundial. Entre eles, Carl Perkins, Jerry Lee Lewis e Johnny Cash formavam o The Million Dollar Quartet (Tradução livre: O quarteto de 1 milhão de dólares) ao lado de Elvis Presley, sendo considerados alguns dos mais memoráveis talentos do gênero.

SERVIÇO

The Clock Rock Bar
Rua Turiassú, 806 – Perdizes
Tel.: 11 3672.0845

Bourbon Street Music Club
Rua dos Chanés, 127 – Moema
Tel.: 11 5095-6100

Rockabilly Dancin Party
Fordiesel Club
Rua Augusta, 822  – Consolação
Tel.: 11 2613-9990
23 de setembro
Horário: das 17h às 22h

Pin Up’s Party

Biroska
Rua Canuto do Val, 9 – Santa Cecília
Tel.:11 3224-0586

Baile 50s & 60s – Especial Eddie Cochran
Dex Bar
Rua Augusta, 520 – Consolação
22 de setembro
Horário: 23h às 5h

Matérias Relacionadas
Grilo Gringo Rocker
Rockabilly Boy: Estilo rocker é tema de ensaio retrô masculino
Banda Old Chevy
Trio de Rock ‘n Roll Campineiro completará 9 anos de carreira com tour na Europa
Charles Rock
Músico que já tocou com Serguei nos anos 80 lança seu primeiro trabalho autoral rockabilly
Banda Old Chevy
Trio campineiro Old Chevy completa 8 anos em 2018 anuncia lançamento

Deixe um comentário

nove − oito =