Home > Destaque > 8 grandes lendas do rhythm’n’blues para conhecer melhor esse estilo musical

8 grandes lendas do rhythm’n’blues para conhecer melhor esse estilo musical

3 de janeiro de 2017, por Daise Alves
Música
Illinois Jacquet

O Rhythm and Blues ou R&B, como também é conhecido, é um estilo musical que alcançou seu auge no final dos anos 40 com o pós-guerra. Precursor do rock’n’roll, essa sonoridade surgiu por questões econômicas. Na Segunda Guerra Mundial começou a ficar difícil manter as famosas Big Bands com seus shows lucrativos e as bandas foram obrigadas a diminuir o formato dos seus grupos, criando assim os “combos”, como passaram a ser chamados.

O ritmo elétrico e excitante reforçava toda a cultura negra com a dinâmica das big bands, a emoção do blues, o entusiasmo gospel e a energia do boogie-woogie, formando aquilo que seria a base do rock’n’roll. Saxofone, piano e a voz do cantor eram o que davam vida ao R&B. Para conhecer um pouco mais desse estilo, fizemos uma lista com 8 cantores que são considerados as lendas do rhythm’n’blues. Confira:

1 – Big Joe Turner: Nascido no Kansas City, cidade de Missouri, o cantor carismático fez muito sucesso entre os anos 40 e 50, mas manteve-se em atividade até a década de 80. Depois de participar do concerto From Spirituals to Swing, o cantor juntamente com Pete Johnson gravaram suas primeiras faixas. Conhecido como “The Boss of The Blues”, seu nome está no Blues Hall of Fame e no Rock and Roll Hall of Fame.

2 – Roy Brown: Ex-boxeador nascido em New Orleans em 1925, Roy é responsável pelo sucesso da canção Good Rockin’ Tonight, cantada posteriormente na voz de Elvis Presley. De 1948 a 1951, Roy Brown dominou as paradas de rhythm’n’blues. Seu modo de cantar era mais contido, como é possível ver em sua canção de maior sucesso Hard Luck Blues.

3 – Wynonie Harris: Chamado também de “Mister Blues”, Harris era a paixão do público feminino. Teve grande inspiração em Joe Turner e sua música que o levou ao sucesso foi uma versão de Good Rockin’ Tonight de Roy Brown, que lhe proporcionou uma vida de luxo.

4 – Amos Milburn: Também conhecido como o “Rei do Piano Blues”, Amos chegou em Los Angeles aos 19 anos após o serviço militar no Pacífico.Sua explosão foi com a canção Chicken Shack Boogie, a qual ficou em primeiro lugar nas paradas de R&B em novembro de 1948. Em 1949 foi nomeado “Artista de R&B do ano” pela Billboard. Lançou diversos sucessos “etílicos” como One Scotch, One Bourboun, One Beer; Good, Good Whiskey e Just One More Drink, mas foi ofuscado pela ascensão do rock’n’roll.

5 – Joe Liggins: Joe começou sua carreira como pianista de jazz e blues. Em 1945 lançou-se em carreira solo com a música The Honeydripper (part 1 & 2), música que ficou 18 semanas nas paradas do R&B. Com a carreira lançada, batizou sua orquestra de The Honeydrippers e conquistou grandes sucessos, quando passou a viajar pelo país com Amos Milburn e Jimmy Witherspoon.

6 – Illinois Jacquet: Estrela das big bands, o saxofonista era uma das forças do rhythm’n’blues. Denomidado “sax honkers”, uma referência àqueles que tiravam uma sonoridade que lembravam buzinas de caminhões, Illinois foi responsável por transformar o saxofone em instrumento solo.

7 – Big Jay McNeely: Big Jay era extravagante. Tocava de joelhos, rolava no chão e ainda pintou seu saxofone com tinta fosforescente. As músicas The Deacon’s Hop e Wild Wig, representavam bem o seu lado excêntrico.

8 – Paul “Hucklebuck” Williams: Na era dos “sax honkers”, Paul brilhava com Hucklebuck, uma adaptação de Now’s the Time, de Charlie Parker. Lançada pela Savoy, essa foi a música de maior sucesso de R&B em 1949. A dança homônima fazia as pessoas balançar o corpo como uma serpente e se balançar como um pato curvando as costas.

Matérias Relacionadas
Memórias de São Paulo: Editorial se inspira nos anos 40 para ressaltar arquitetura histórica da cidade
Review de La La Land – Dançando as estações: Um conto de fadas para aquecer o coração
Sapato Anos 40
Breve história dos sapatos: os anos 1940
A história de Fats Domino, o segundo rock star que mais vendeu discos nos anos 50

Deixe um comentário

três − três =