Home > Cinema & TV > Como Mazzaropi inspirou a novela ‘Êta Mundo Bom!’ da TV Globo

Como Mazzaropi inspirou a novela ‘Êta Mundo Bom!’ da TV Globo

21 de janeiro de 2016, por Letícia Magalhães
Cinema & TV

A história de busca das origens é universal. O órfão que foi adotado e não se ajusta à família sai de casa para procurar seus pais biológicos, e quase sempre tem uma surpresa ao descobrir sua origem nobre. No meio da jornada, o herói enfrenta obstáculos, conhece curiosos personagens, entre aliados e adversários, e finalmente triunfa. É um dos enredos mais antigos do mundo, estando presente desde Moisés até Star Wars, passando pelo Patinho Feio e a Bela Adormecida. E é também o mote para a novela das seis, “Êta Mundo Bom!”.

Como nas artes nada se cria, tudo se transforma, a história de Candinho e companhia não tem nada de nova. Os personagens são velhos conhecidos do público, tendo surgido no conto “Cândido ou O Otimismo”, do iluminista Voltaire, e foram adaptados para a realidade rural brasileira em um filme de um dos campeões de bilheteria do nosso cinema: Mazzaropi.

Mazzaropi como Candinho e o burro Policarpo (Foto: Reprodução)

Mazzaropi como Candinho e o burro Policarpo (Foto: Reprodução)

No ano de 1926, chega à fazenda mineira Dom Pedro II um menino numa cesta. Ele é acolhido pela família e batizado de Candinho. Mas a adoção não significa que ele terá uma criação privilegiada: com o nascimento dos filhos do dono da fazenda, Candinho deixa de receber toda a atenção e se torna empregado da família.

Passam-se 23 anos e estamos em 1949. Candinho (Mazzaropi) faz todo o trabalho duro da roça, enquanto o pai de criação ainda vive das glórias dos tempos do Império. Candinho é apaixonado pela sua irmã de criação, Filoca (Marisa Prado) e, quando o pai descobre esta paixão, o manda embora. Candinho decide que é hora de procurar sua mãe biológica, sendo sempre guiado pela máxima do professor Pancrácio (Adoniran Barbosa), amigo da família: tudo o que acontece é para melhorar a vida da gente (ou, no original de Voltaire, “Tudo é para o melhor neste melhor dos mundos”).

Sergio Guizé como Candinho e o burro Policarpo

Sergio Guizé como Candinho e o burro Policarpo na novela Êta Mundo Bom! (Foto: Reprodução)

A São Paulo que impressiona Sérgio Guizé no folhetim das 18 horas é tão assustadora quanto a presente na montagem da metrópole do filme dos anos 50, e é cena repetida quase diariamente com forasteiros que chegam de longe e se veem no meio do labirinto de arranha-céus. A casa de shows, ou Taxi Dancing na novela, vira o refúgio de Filoca na metrópole, e no filme conta com a apresentação do grupo divertidamente batizado de “As Irmãs Sisters”. E o amigo de desventuras de Candinho continua sendo o vendedor Pirulito, que se tornou criança na novela para garantir uma dose de espontaneidade e fofura.

Capa do filme "Candinho" de Mazzaropi, 1954

Capa do filme “Candinho” com Mazzaropi, 1954 (Foto: Reprodução)

O filme envelheceu mal. A sequência do sanatório, quando Candinho chega à cidade, jamais seria feita em tempos em que impera o politicamente correto, e vê-la hoje nos dá certo desconforto. Logo em seguida, Candinho aborda uma mulher na rua e vemos que o filho dela está com um revólver de brinquedo, “presente” hoje considerado abominável, mas que era comum há mais de meio século. Ela não é a única criança a empunhar uma arma, pois um garotinho mimado estoura vários dos balões que Candinho vende com uma espingarda.

Candinho foi apenas o terceiro filme de Mazzaropi, que já trabalhara no circo, no rádio e na televisão, e fez rápido sucesso no cinema. E foi também a primeira vez que ele interpretou um caipira nas telas, persona que se tornaria sua marca registrada, reforçada a partir de 1960 com “Tristeza do Jeca”. Claro que um filme de uma hora e meia de duração não garante material suficiente para uma novela a ser exibida durante alguns meses. Os personagens principais são os mesmos, mas tramas paralelas foram criadas pelo autor Walcyr Carrasco, e até uma radionovela foi inserida dentro da novela. Pense em metalinguagem retrô!

A novela não chega a ser plágio de Voltaire nem de Mazzaropi. Pode se tornar, sim, sem grandes emoções para quem conhece a história, mas também pode servir de estímulo para que muitas pessoas descubram o legado do caipira mais supimpa do cinema nacional.

Matérias Relacionadas
Mazzaropi
Sesc Santana projeta clássicos de Mazzaropi na mostra ‘Paulistaníssimo Mazzaropi’
Telenovela
TV Cultura estreia série inédita sobre os 65 anos das novelas no Brasil
Nada será como antes
‘Nada Será Como Antes’: Nova série da TV Globo mergulha no cenário dos anos 50
As originais taxidancers
A boemia na era dos famosos taxidancing

1 Response

Deixe um comentário

quatro × dois =