Home > Destaque > Contos de Clarice Lispector viram peça infatil e ganha temporada no Teatro Décio de Almeida Prado

Contos de Clarice Lispector viram peça infatil e ganha temporada no Teatro Décio de Almeida Prado

29 de março de 2017, por Jane Galaxie
Eventos
Contos Clarice Lispector

A partir de oito contos e/ou crônicas de Clarice Lispector (1920-1977), publicados no Jornal do Brasil entre 1967 e 1973, o espetáculo infantil Brincar de Pensar – contos de Clarice Lispector no palco para pessoas grandes ou pequenas faz temporada no Teatro Décio de Almeida Prado no período de 1º a 30 de abril, com sessões sempre sábados e domingos, às 16h. A montagem conta com direção de Vanessa Bruno e faz parte do repertório do VULCÃO [criação e pesquisa cênica], que tem investigado a transposição da literatura para o palco.

Em cena, oitos contos que compõem o espetáculo multimídia jogam foco na narrativa de prosa poética da autora, e apresentam em comum as memórias da infância e devaneios próprios de todas as idades. Com apoio dramatúrgico de Michelle Ferreira, o elenco formado por Isabel Wilker, Lívia Vilela e Luiz Felipe Bianchini (Elisa Volpatto como stand-in) mostra situações comuns vividas pelas pessoas, como pedir um livro emprestado, vestir-se para um baile de carnaval, ou observar um inseto em cima de um quadro.

Clarice Lispector

A escritora Clarice Lispector (Foto: Reprodução)

Na trama, a personagem Marília (Isabel Wilker) recebe um presente inesperado e anônimo que desperta sua imaginação e permite que Outrem (Luiz Felipe Bianchini) e Maria-Mole (papel revezado entre Lívia Vilela e Elisa Volpatto) saiam do empoeirado sótão para brincar de pensar, imaginar, lembrar e criar através das palavras.

Apresentada em capítulos, como se o público estivesse virando as páginas de um livro, a peça abre a porta da memória para que objetos, histórias e seus personagens saiam do empoeirado esquecimento evocando os oito contos de Clarice Lispector.

Felicidade Clandestina traz à memória uma menina, de 8 anos de idade, devoradora de histórias que implorava emprestado à filha do dono de livraria os livros que ela não lia. Persistência e amor à leitura conduzem a narrativa até o livro ser conseguido. Restos do Carnaval conta outra memória, da menina que desejava ir pela primeira vez a um baile de carnaval. Come, Meu Filho revela diálogo irreverente entre mãe e seu filho; ele dá voz a seus devaneios e reflexões. Sou uma Pergunta? são centenas de perguntas questionando cores, situações, comportamentos e crenças.

Uma Esperança traz mãe e filho frente ao inseto verde chamado esperança e uma enorme aranha. Das Vantagens de Ser Bobo narra observações entre o esperto e o bobo. Se Eu Fosse Eu imagina como seria tudo diferente se cada um fosse si mesmo. E por fim, Brincar de Pensar conta os prazeres e divertimentos que se tem em pensar.

Para a diretora, o espetáculo é direcionado para pais e filhos, mescla várias linguagens e cria um fio condutor para dar voz cênica às palavras da autora. “A montagem é um convite a filosofar, imaginar, perguntar, lembrar, inventar, duvidar, entender e sentir. Usamos as palavras de Clarice Lispector e as imagens e jogos trazidos pelos atores em cena para esse fim”.

cena-peça-clarice-lispector

Cena do espetáculo ‘Brincar de Pensar – contos de Clarice Lispector no palco para pessoas grandes ou pequenas’ (Foto: Divulgação)

Imagens em vídeo e a trilha especialmente composta, além da iluminação, figurinos e adereços criam um espetáculo multimídia. Vanessa enfatiza que a obra de Clarice Lispector em cena possibilita o trânsito entre linguagens artísticas, uma característica da linguagem teatral contemporânea.

Os atores estão em cena narrando e vivendo as histórias e também construindo com adereços e elementos retrô, como uma máquina de escrever e um telefone de disco, a realidade do ambiente cotidiano solicitado pelos contos. A trilha musical, assinada por Edson Secco, tem caráter minimalista construindo ambiente delicado, divertido e, por vezes, misterioso. O músico juntamente com Fábio Barros e a cantora Tatiana Parra, transformou o conto Sou uma Pergunta? em canção especialmente para a peça.

O espetáculo é fruto da pesquisa de transposição da literatura para o palco, desenvolvida inicialmente por Vanessa Bruno, e que deu origem ao VULCÃO [criação e pesquisa cênica], por isso entrou para o repertório desse agrupamento de artistas, formado por Vanessa Bruno, Lívia Vilela, Elisa Volpatto, Rita Grillo e Paulo Salvetti.

Serviço
Teatro Décio de Almeida Prado.
Endereço: Rua Cojuba, 45 – Itaim Bibi, São Paulo – SP
Temporada: 1 a 30 de abril, com sessões sempre sábados e domingos, às 16h. Duração: 50 minutos.
Capacidade: 186 lugares.
Espetáculo recomendável para maiores de 7 anos.
Ingressos: 14,00 (Inteira) e 7,00 (Meia).
Venda online: Aqui

Matérias Relacionadas
Rock Horror Show
Versão brasileira de ‘Rocky Horror Show’ estreia no Teatro Porto Seguro
DZI Croquettes
Dzi Croquettes celebra 45 anos em curta temporada no Teatro Augusta
Mulheres na Literatura
Beleza e enigma: o glamour discreto das escritoras brasileiras
Chaplin, o Musical
Última semana para assistir Chaplin, o Musical no Theatro Net

Deixe um comentário

dois × cinco =