Home > Cinema & TV > Resenha do filme A Bela e a Fera: O retorno da magia de um clássico

Resenha do filme A Bela e a Fera: O retorno da magia de um clássico

21 de março de 2017, por Aline Lima
Cinema & TV

A adaptação em live action de A Bela e a Fera, da Disney, chegou aos cinemas, nesta quinta-feira (16), baseado no desenho lançado em 1991, que foi a primeira animação a concorrer ao Oscar de melhor filme. A direção ficou por conta de Bill Condon, conhecido por outros filmes musicais como Dreamgirls – Em Busca de um Sonho e Chicago, além da adaptação das duas partes do livro Amanhecer (saga Crepúsculo).

Maurice e Bela (Foto: Divulgação)

Maurice e Bela (Foto: Divulgação)

Toda a história se passa na França e gira em torno do príncipe Adam (Dan Stevens). Amaldiçoado por uma bruxa por ser egoísta e ligar apenas para a aparência, ele é transformado em um mostro, e todos os habitantes do seu luxuoso castelo se tornam objetos. A feiticeira entrega ao rapaz uma rosa, e diz que ele tem, até o cair de sua última pétala, para aprender a amar e ser amado ou o feitiço se tornaria permanente.

Bela (Emma Watson), é uma jovem inteligente e a frente de seu tempo, que não se encaixa na pequena cidade onde vive por gostar de coisas diferentes e ver o mundo de uma maneira única. Kevin Kline (A Escolha de Sofia) interpreta Maurice, o pai da jovem e é ele quem une o casal, pois furta uma rosa do jardim de Adam para dar à filha, mas acaba sendo preso pela Fera, que só o liberta com a condição de que a garota fique em seu lugar.

Bela (Foto: Divulgação)

Bela (Foto: Divulgação)

A química entre os protagonistas funciona suficientemente bem para não atrapalhar o andamento da história. Talvez isso aconteça por conta da nostalgia e da nossa predisposição a amá-los, mas, em algumas partes, acaba parecendo um pouco forçado. Emma Watson entrega uma Bela forte e destemida, porém falta a doçura e a gentileza que a personagem tem no desenho. Além de tudo, a atriz parece, muitas vezes, desconfortável no papel e é facilmente perceptível a utilização de auto-tunes em sua voz.

Devido à computação gráfica pesada, Dan Stevens não tem tanta oportunidade de trabalhar com expressões, talvez se a Fera tivesse sido feita com maquiagem esse problema teria sido resolvido, mas o esforço do ator aparece em seu trabalho de voz e captura de movimentos, o que torna o mostro encantador e carismático.

A Bela e a Fera (Foto: Divulgação)

A Bela e a Fera (Foto: Divulgação)

Luke Evans (Dracula: A Historia Não contada) entrega um Gaston muito mais inteligente e malicioso que o da animação, e mostra que o vilão realmente está disposto a qualquer coisa para ter Bela ao seu lado. Na verdade, o ponto forte do filme são seus coadjuvantes, que chamam muito mais atenção do que os atores principais.

LeFou (Josh Gad) rouba a cena todas as vezes em que aparece, com uma delicadeza impressionante. Alias, toda a polêmica em torno da sexualidade do personagem só serviu para aguçar a curiosidade do expectador e a Disney teve um cuidado muito grande ao expor o assunto, o que deixou o personagem sutil e acessível, sem parecer caricato.

LeFou e Gaston (Foto: Divulgação)

LeFou e Gaston (Foto: Divulgação)

Os habitantes do castelo vão encantar o público, com certeza. A energia do castiçal Lumière (Ewan McGregor) contrasta perfeitamente com a rabugice do relógio Horloge (Ian Mckellen) e Emma Tompson (Razão e Sensibilidade) faz jus à bule bondosa Madame Samovar, que faz questão de lembrar a todos que Bela perdeu tudo para estar ali e tem direito de estar triste. A novidade aqui é o piano Cadenza (Stanley Tucci), que garante um charme todo especial à história e ainda tem uma ligação com o guarda-roupa Madame Garderobe (Audra McDonald).

Habitantes do castelo (Foto: Divulgação)

Habitantes do castelo (Foto: Divulgação)

A aparência dos utensílios e móveis é muito mais rústica do que as peças do desenho de 1991, o que pode causar um certo estranhamento, mas, que ajuda a tornar o problema, causado pelo feitiço que transformou a todos, muito maior, e ainda dá uma sensação de urgência ao enredo. Os efeitos, porém, parecem muito artificiais e não estão à altura deste clássico tão amado pelo público e pela crítica, principalmente se comparado ao resultado alcançado por Mogli: O Menino Lobo (2016).

O filme ajuda a fechar várias pontas soltas deixadas pela animação, como o paradeiro da mãe de Bela, por exemplo, entre outras coisas. O roteiro é muito bem amarrado; já a edição, assim como os efeitos especiais, deixam a desejar, pois em determinados momentos não há fluidez na história e são usadas telas pretas para fazer a transição de um ponto ao outro da trama. Apesar dos pontos altos e baixos, o filme foi feito para emocionar e esse objetivo, com certeza, é atingido.

Assista ao trailer do filme a seguir:

Matérias Relacionadas
Conheça a Beaches and Cream, uma lanchonete retrô dentro da Disney
Ho ho Olímpicos
Ho-Ho-Límpicos: o desenho retrô que vai despertar seu espírito olímpico
Novo filme de Spielberg para Disney, “O Bom Gigante Amigo” estreia nos cinemas nesta quinta
Com estreia em fevereiro, Horas Decisivas traz aventura real dos anos 50 aos cinemas

Deixe um comentário

oito + 13 =