Home > Cinema & TV > Review de La La Land – Dançando as estações: Um conto de fadas para aquecer o coração

Review de La La Land – Dançando as estações: Um conto de fadas para aquecer o coração

20 de janeiro de 2017, por Aline Lima
Cinema & TV

La La Land é o apelido da cidade de Los Angeles, que é objeto de fascínio de todos aqueles que sonham em fazer sucesso no showbiz, pois o local é conhecido por concentrar os maiores estúdios de Hollywood. A história do musical de mesmo nome foi escrita e dirigida por Damien Chazelle (Whiplash), e gira, justamente, em torno das expectativas criadas em relação à fama.

O enredo é dividido por estações do ano, que traçam um paralelo com o momento que os protagonistas estão vivendo, já que Los Angeles é ensolarada na maior parte do ano. O ponto de partida para trama é o encontro do musico rabugento Sebastian (Ryan Gosling) e a doce aspirante à atriz Mia (Emma Stone). As personalidades dos dois se completam, pois são extremamente diferentes, e acabam colidindo em um primeiro momento.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Sebastian é um pianista de jazz, frustrado com o emprego, que insiste em viver no passado. Ele acredita que o ritmo e a cultura, que tanto ama, está morrendo, e que a única maneira de salvá-lo é abrindo seu próprio clube, assim poderá tocar o que realmente lhe interessa.

Mia é a balconista de um café, que fica dentro de um estúdio, e sonha em se tornar uma estrela. Ela é otimista, esforçada e procura seu lugar ao sol. Já os coadjuvantes não tem muito destaque aqui, mesmo J.K. Simmons (Bill), que já trabalhou com o diretor em Whiplash, e o músico John Legend (Keith) são subaproveitados e usados basicamente como ferramentas para o desenvolvimento do casal protagonista.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Humor também é um fator presente no longa, embora de maneira leve, como uma cena envolvendo canções dos anos 1980. As músicas, diga-se de passagem, desempenham um papel importante – principalmente a viciante “City of Stars” – e ajudam a contar a história. O filme não fica pesado, ou forçado, mas a quantidade de números musicais vai diminuindo ao longo da trama, o que pode causar estranheza.

Toda a trilha sonora, que embala o romance dos protagonistas, se encaixa perfeitamente e ajuda na ambientação, que, apesar de ser contemporânea, tem um clima 60’s. O filme todo, na verdade, presta uma incrível homenagem aos grandes musicais do passado, e conta com várias referências de clássicos como “Cantando na Chuva” (1952), por exemplo.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Os figurinos, principalmente os vestidos de cores fortes que Mia usa, combinados com a fotográfica vibrante, também possuem uma inspiração forte no passado de Hollywood. Toda a trama tem um clima de conto de fadas, e as cenas musicais são totalmente lúdicas, o que faz com que o público se envolva profundamente com o romance de Sebastian e Mia.

A metalinguagem é outro ponto que está fortemente presente no roteiro, trata-se de uma produção que fala sobre filmes e a indústria que Hollywood se tornou ao longo dos anos. Resumindo, a temporada de premiações já começou e La la Land já chegou fazendo barulho; ganhou 7 Globos de Ouro, feito inédito para qualquer outro longa, e é um dos favoritos ao Oscar de Melhor Filme desse ano.

Confira o trailer abaixo:

Matérias Relacionadas
Musical Forever Young
Comédia musical Forever Young reestreia dia 19 de janeiro no Teatro Fernando Torres no Tatuapé (SP)
Hebe Camargo
Ingressos para ‘Hebe, O Musical’ já estão disponíveis para venda
The Rent
Rent: sucesso de público e critica volta aos palcos de SP em setembro
A Era do Rock
A Era do Rock: Musical promove viagem no tempo celebrando os anos 80

Deixe um comentário

11 + 2 =