Home > Cinema & TV > Artistas criam diálogo musical e cênico com primeiros filmes feministas da história

Artistas criam diálogo musical e cênico com primeiros filmes feministas da história

21 de junho de 2017, por Jane Galaxie
Cinema & TV
AliceGuyBlache

Denise Assunção, Karina Buhr, Georgette Fadel e Roberta Estrela D´Alva são as artistas convidadas do experimento cênico-cinematográfico dirigido pelo Coletivo Vermelha. Serão exibidos dois dos primeiros filmes feministas da história: Os resultados do Feminismo (França, 1906), de Alice Guy Blaché, e A Sorridente Madame Beudet (França, 1923), de Germaine Dulac. O espetáculo “Sessão muda, mas não calada” integra a programação da quarta edição do Projeto Cinema Falado e acontece nos dias 23, 24 de junho, às 21 horas, e no dia 25 de junho, às 18 horas, no Sesc Pompeia.

A francesa Alice Guy Blaché é uma das pioneiras do cinema, considerada a primeira mulher diretora e roteirista, além de autora do primeiro filme de ficção e do primeiro filme com atores negros. Entretanto, apenas recentemente sua memória começou a ser recuperada. O curta-metragem “Os resultados do Feminismo” retrata de forma irônica uma sociedade na qual o papel dos homens e das mulheres é invertido.

Sob direção de Germaine Dulac, cineasta também de origem francesa e considerada uma das principais feministas radicais de seu tempo, o média-metragem “A Sorridente Madame Beudet” narra o cotidiano de uma dona de casa presa a um casamento sem amor que tenta livrar-se de um marido violento para poder se libertar das convenções sociais.

A Sorridente Madame Beudet

Cena do filme ‘A Sorridente Madame Beudet’ (Foto: Reprodução)

Enquanto os filmes são exibidos na tela, sem som, as artistas Denise Assunção, Karina Buhr, Georgette Fadel e Roberta Estrela D´Alva criam intervenções cênicas e uma sonoplastia em diálogo com as imagens projetadas, buscando enfatizar a atualidade das discussões sobre gênero presentes nos filmes. A performance, criada especialmente para o projeto Cinema Falado, conta com a direção criativa do Coletivo Vermelha, composto por diretoras, roteiristas e montadoras de São Paulo.

“Existimos como coletivo desde 2014, mas nossas ações sempre foram relacionadas ao debate sobre a presença e a representação da mulher no audiovisual. É a primeira vez que nos juntamos para uma criação coletiva, a convite do Sesc, e estamos adorando”, afirma a roteirista Iana Paro, integrante do Coletivo.

O experimento cênico “Sessão muda, mas não calada” faz parte do projeto Cinema Falado do Sesc, que propõe uma reflexão sobre a voz no cinema e fomenta diálogos entre diversas linguagens artísticas. Realizado desde junho de 2016, o projeto já discutiu, ao longo de três edições anteriores, questões cinematográficas, como a atuação, a relação com a literatura e também a aproximação com a música.

A quarta edição se debruça sobre a potencialidade política da voz do cinema e as relações entre filme e gênero, sua programação conta ainda com o mini-curso “Entre o Som e a Imagem, a performatividade dos gêneros (humano e cinematográfico) produzido por mulheres durante a década de 70”, ministrado pela pesquisadora da Unicamp Karla Bessa, e com o bate-papo “Olhar e Voz das Mulheres no Cinema”, que reunirá o Coletivo Vermelha e as cineastas Adélia Sampaio e Vera Egito, com mediação de Luísa Pécora, jornalista e criadora do portal Mulher no Cinema.

Serviço

“Sessão muda, mas não calada”
Data: De 23 a 25 de junho de 2017.
Horário: Sexta e sábado às 21h, e domingos às 18h.
Local: Teatro do Sesc Pompeia. Capacidade: 302.
Endereço: R. Clélia, 93 – Pompeia, São Paulo – SP.
Tel: (11) 3871-7700
Valor dos ingressos: R$ 30 | R$ 15,00 | R$ 9,00
Venda limitada a 6 ingressos por pessoa.

Matérias Relacionadas
Replicantes
Sesc Pompeia apresenta Os Replicantes, banda de punk rock brasileira
Erasmo Carlos
Erasmo Carlos estreia em São Paulo seu novo álbum no Sesc Pompeia
Elza Soares
No aniversário de São Paulo, Elza Soares apresenta ‘A Voz e a Máquina’ no Sesc Pompeia
Festival celebra 40 Anos de Punk no Sesc Pompéia

Deixe um comentário

14 + 18 =