Home > Destaque > Erasmo Carlos estreia em São Paulo seu novo álbum no Sesc Pompeia

Erasmo Carlos estreia em São Paulo seu novo álbum no Sesc Pompeia

28 de julho de 2018, por Jane Galaxie
Eventos
Erasmo Carlos

Aos 77 anos, o artista da jovem guarda embarca em mais uma turnê nacional para divulgar seu novo trabalho. Lançado em maio de 2018, o álbum “Amor é isso” traz uma abordagem mais romântica e poética, retomando o sucesso da década de 70, “Carlos, Erasmo”. Inédito em São Paulo, a apresentação acontece nos dias 2 e 3/8, quinta e sexta, no Sesc Pompeia. Para as 12 faixas inéditas que integram o disco, o músico fez parceria com Emicida, Marcelo Camelo, Arnaldo Antunes, Marisa Monte, Adriana Calcanhoto e outros.

O disco

Lançado pelo Selo Som Livre, com produção de Pupillo (Nação Zumbi) e direção artística de Marcus Preto, Erasmo abre parcerias com Emicida, Dadi Carvalho, Adriana Calcanhotto, Samuel Rosa e até Tim Maia. E, também, retoma o trabalho com parceiros de outros tempos, como Arnaldo Antunes e Marisa Monte. Há também canções, escritas especialmente para ele, por Nando Reis e Marcelo Camelo, além da faixa “Não Existe Saudade no Cosmos”, de Teago Oliveira (Maglore), lançada como primeiro single em dezembro de 2018. Completando o repertório, três faixas são escritas apenas por Erasmo.

SERVIÇO:
Erasmo Carlos
Dias 2 e 3 de agosto de 2018, quinta e sexta, às 21h30

Comedoria
*A capacidade do espaço é de 500 pessoas. Assentos limitados. A compra do ingresso não garante a reserva de assentos. Abertura da casa com 90 minutos de antecedência ao início do show.

Ingressos: R$9 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$15 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$30 (inteira).

Matérias Relacionadas
Replicantes
Sesc Pompeia apresenta Os Replicantes, banda de punk rock brasileira
Elza Soares
No aniversário de São Paulo, Elza Soares apresenta ‘A Voz e a Máquina’ no Sesc Pompeia
Festival celebra 40 Anos de Punk no Sesc Pompéia
AliceGuyBlache
Artistas criam diálogo musical e cênico com primeiros filmes feministas da história

Deixe um comentário

treze − dois =