Home > Destaque > Há quase 50 anos, um homem pisa na Lua pela primeira vez

Há quase 50 anos, um homem pisa na Lua pela primeira vez

20 de janeiro de 2019, por Leila Benedetti
Lifestyle
Pisada do Homem na Lua

Já foi publicado aqui no site sobre a Era Espacial, que influenciou a moda, a música, a decoração e até os programas de TV e os sonhos das crianças da década de 1960, inclusive a Corrida Espacial protagonizada pelos Estados Unidos e a União Soviética foi mencionada, porém não foi posto em detalhes um acontecimento muito importante que encerrou a Corrida e deu vitória aos Estados Unidos, o fato de um homem pisar na Lua pela primeira vez.

Depois de vários experimentos mal sucedidos que causaram mortes brutais de várias pessoas e animais, os EUA encerraram a Corrida Espacial enviando um astronauta à Lua na noite de 20 de julho de 1969. Essa missão promovida pela NASA foi nomeada de Apollo 11 e o astronauta enviado ao enorme e único satélite natural era Neil Armstrong junto com mais dois colegas de trabalho, Buzz Aldrin e Michael Collins.

Para essa missão, a NASA lançou o foguete Saturno V do Centro Espacial John Kennedy, na Flórida. O foguete era constituído por três partes, o módulo de comando com uma cabine para três astronautas, o módulo de serviço (Columbia), que era dedicado à atender as necessidades dos astronautas, como propulsão, energia elétrica, água e oxigênio, e o módulo lunar (Eagle), que pousava na Lua e cravava suas “garras” na superfície.

A nave batizada de Saturno V

A nave batizada de Saturno V era dividida em três módulos que se separavam durante a viagem espacial, o módulo de serviço (SM), o módulo de comando (CM), chamado Columbia, e o módulo lunar (LM), chamado Eagle. (Foto: Divulgação)

No momento em que os módulos se separaram no meio do espaço, Armstrong e Aldrin entraram no módulo Eagle e pousaram na Lua, enquanto Collins pilotava sozinho o módulo Columbia que orbitava em torno do satélite para atender as necessidades de seus colegas. Armstrong foi o primeiro a descer do módulo e a pisar na Lua, ganhando assim o título de herói americano, vinte minutos depois Buzz Aldrin, responsável por pilotar o módulo Eagle, também desceu e pisou na Lua.

Como prova, os dois coletaram 21,5 kg de material lunar para trazer à Terra, cravaram a bandeira dos Estados Unidos na superfície da Lua e tiraram a famosa foto com a bandeira, tudo isso em transmissão ao vivo via satélite, tecnologia essa que já era usada pela NASA desde 1962 para transmitir imagens do espaço para várias emissoras televisivas ao redor do mundo.

Homem na Lua

Buzz Aldrin fazendo continência à bandeira americana após ser cravada na superfície lunar. (Foto: Neil Armstrong/NASA)

Como todo grande marco histórico, sempre tem alguém que aparece com uma teoria da conspiração. Muitos populares ao redor do mundo acreditam fielmente que a NASA é uma fraude e que inclusive nenhum ser humano colocou os pés na Lua até os dias de hoje, fora outras crenças que cientificamente não fazem nenhum sentido.

Um dos questionamentos desses populares é sobre a bandeira americana instalada na Lua por Armstrong e Aldrin, que saiu na foto e nas transmissões ao vivo apresentando ondas, como se estivesse ventando, sendo que na Lua não há presença de oxigênio e nem de gravidade. A explicação dada para os que questionam é um fenômeno físico chamado inércia, quando Armstrong enfiou a bandeira na superfície lunar, o mastro de alumínio flexível da bandeira se moveu, causando a manipulação do tecido.

Buzz Adrian

A famosa foto de Buzz Aldrin ao lado da bandeira americana e do módulo Eagle. (Foto:Neil Armstrong/NASA)

Ainda sobre a bandeira americana instalada na superfície da Lua, porém deixando as teorias da conspiração de lado, a NASA lançou uma espaçonave em 2009, a LRO (Orbitador de Reconhecimento Lunar), que deu voltas ao redor da Lua e tirou fotos do satélite por três anos. A bandeira instalada por Armstrong e Aldrin em 1969 foi fotografada com mais cinco que foram instaladas pelos astronautas americanos que visitaram a Lua uns anos seguintes.

Além das bandeiras, também foram capturados alguns vestígios deixados na Lua, propositalmente ou não, durante as missões Apollo 11, como utensílios de trabalho dos astronautas, mochilas e inclusive uma placa assinada pelo presidente americano da época, Richard Nixon, com a data em que a Apollo 11 foi realizada e com os dizeres “Viemos em paz em nome da humanidade.”

Placa assinada pelos astronautas da Apollo 11

Placa assinada pelos astronautas da Apollo 11 e pelo então presidente Richard Nixon: “Homens do planeta Terra pisaram na Lua pela primeira vez em julho de 1969. Nós viemos em paz em nome de toda a humanidade.” (Foto: Neil Armstrong/NASA)

Segundo a NASA em 2012, as bandeiras continuam inteiras e possivelmente desbotadas ou até mesmo brancas devido à exposição direta aos raios UV do Sol, já que na Lua não há camada de ozônio como na Terra. Todas permanecem de pé, com exceção da que foi instalada durante a Apollo 11, que aparentemente está caída sobre a superfície.

Abaixo, um vídeo de uma montagem que fizeram com as fotos tiradas com a LRO.

OS TRÊS ASTRONAUTAS ENVOLVIDOS COM O APOLLO 11

Neil Armstrong

Neil Alden Armstrong nasceu no dia 5 de agosto de 1930 na cidade de Wapakoneta, em Ohio, Estados Unidos. Sua paixão por voar se deu aos dois anos de idade quando seu pai, Stephen Armstrong, o levou para assistir a Corrida Aérea de Cleveland.

Neil Armstrong

Neil Armstrong

A primeira vez que ele voou de avião foi entre seus cinco e seis anos de idade quando novamente o seu pai o levou para um passeio em um avião Ford Trimotor.

Aos 14 anos, Armstrong entrou para as aulas de voo no aeródromo de sua então cidade, assim que completou dezesseis anos, ganhou um certificado de estudante de voo e pôde realizar seu primeiro voo solo antes de adquirir sua carteira de motorista. Ainda adolescente, foi escoteiro pelo grupo Escoteiros da América e alcançou o nível mais alto de Águia Escoteira. Ao chegar à fase adulta, recebeu dois prêmios pelo mesmo grupo, o Águia Escoteira Distinta e Búfalo Prateado.

Em 1947, Armstrong entrou para a Universidade de Purdue para estudar engenharia aeroespacial, durante os estudos, foi convocado pela marinha para se apresentar na Base Aeronaval de Pensacola, na Flórida, para treino de voo na classe 5-49. Após ser aprovado nos exames médicos e passar por vários treinos na Flórida e posteriormente no Texas, em agosto de 1949, ele é finalmente qualificado para trabalhar como aviador naval, sua cerimônia de formatura foi em agosto de 1950.

Armstrong prestou serviços para a marinha até 1960, em seguida ele retomou os seus estudos em engenharia aeroespacial na Universidade de Purdue, se formou na universidade em 1955 e ampliou seus estudos por mais cinco anos fazendo mestrado na mesma área, porém na Universidade do Sul da Califórnia.

Enquanto cursava o mestrado, Armstrong entrou para a NASA como piloto de testes. Foi só em 1962 que ele foi promovido para astronauta, onde ele trabalhou em vários programas espaciais, entre eles os dois mais famosos Gemini 8 e Apollo 11. O astronauta permaneceu ligado à NASA até 1971, quando ele retornou à sua terra natal e passou a dar aulas de engenharia aeroespacial na Universidade de Cincinatti, além de virar presidente do Comitê Presidencial Consultivo para o Corpo de Paz (1971-1973).

Mais tarde, na década de 1980, Armstrong virou membro da Comissão Nacional do Espaço (1985-1986) e vice-presidente da Comissão Presidencial para a investigação do acidente da nave Challenger em 1986, além de vários cargos importantes em grandes empresas privadas até se aposentar. Durante a sua aposentadoria, Armstrong deu algumas conferências sobre voos espaciais em casa e fez aparições públicas em comemorações de aniversário da chegada do homem à Lua.

Armstrong morreu em agosto de 2012, aos 82 anos de idade, por complicações após uma cirurgia de ponte de safena. Em seu enterro, a Casa Branca, sua família e seus colegas da NASA o declararam como um dos maiores heróis americanos de todos os tempos.

Buzz Aldrin

Edwin Eugene “Buzz” Aldrin, nasceu em New Jersey no ano de 1930. Ele recebeu o apelido de “Buzz” porque, quando criança, sua irmã mais nova o chamava de “Buzzer” (cigarra em inglês) na tentativa de falar a palavra “brother” (irmão em inglês). Ele mudou seu nome legalmente para Buzz em 1980.

Buzz Aldrin

Buzz Aldrin

Seu interesse por voos era encorajado pelo seu pai, um coronel das Forças Armadas dos Estados Unidos, desde criança. Aldrin cursou Ciências Aeronáuticas na Academia Militar de West Point e se formou com honra em 1951.

Enquanto fazia doutorado no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, ele trabalhava como piloto da Força Aérea, participando de missões de combate na Coréia e servindo para a Alemanha.

Em 1963, mesmo ano em que concluiu o doutorado, Aldrin foi selecionado pela NASA para trabalhar na missão Gemini 12, que só se iniciou em 1966 e durou 4 dias, três anos depois, em 1969, foi escalado para a missão Apollo 11, onde ele recebeu o título de segundo homem a pisar na Lua e a Medalha Presidencial de Liberdade, a maior honra que recebeu nos Estados Unidos e em mais diversos outros países.

Aldrin se desliga da NASA em 1972 e volta para a Força Aérea para trabalhar como consultor privado e publica uma autobiografia chamada “Return to Earth” (De volta à Terra) onde ele confessa a sua luta contra o alcoolismo, além de fazer palestras ao redor do mundo incentivando a exploração espacial e fazer aparições na televisão, como uma participação especial no seriado Os Simpsons e em um filme para TV na qual ele interpretou um reverendo.

Em comemoração dos 20 anos da Apollo 11 em 1989, Aldrin publicou o livro “Men From Earth” (Homens da Terra), em 1990 ele fundou a Starcraft Boosters Inc., uma empresa desenvolvedora de foguetes, e publicou seu terceiro livro, só que dessa vez de ficção científica, “Encounter with Tiber” (Encontro com o Tibete).

Ainda na década de 1990, Aldrin fundou a Share Space Foundation, um programa cuja missão é tornar as viagens espaciais mais acessíveis, já em 2000 publicou mais um livro chamado “The Return” (O Retorno). Aldrin continua até hoje escrevendo livros de ficção científica e fazendo aparições em eventos.

Michael Collins

Collins nasceu em 1930 em Roma, Itália. Filho de um general do exército americano que servia para vários países, ele passou uma boa parte da adolescência vivendo em uma base temporária de seu pai em Porto Rico, e foi lá que ele voou de avião pela primeira vez.

Michael Collins

Michael Collins

Quando os Estados Unidos entrou para a ll Guerra Mundial, Collins se mudou com a família para Washignton e entrou para a Força Aérea americana. Na década de 1950, Collins serviu como piloto de combate para as forças americanas da OTAN na Europa.

Em 1963 ele se juntou à NASA e em 1966 participou de sua primeira missão, a Gemini 10. Sua segunda missão, em 1969, foi a Apollo 11 junto com Neil Armstrong e Buzz Aldrin, porém ele é o menos lembrado dos três por ser o único que não pisou na Lua mesmo ganhando a Medalha Presidencial da Liberdade.

Em 1970, após uma turnê de comemoração à volta dos três astronautas da Lua, Collins aceitou a proposta do então presidente americano Richard Nixon de trabalhar como Assistente Especial de Negócios Públicos na Casa Branca.

Entre os anos de 1971 e 1978, ele assumiu o cargo de diretor do Museu Nacional Aeroespacial dos Estados Unidos, Secretário Geral do Instituto Smithsonian e, após se aposentar da Força Aerea como major-general, virou professor na Universidade de Harvard, onde deu aulas até 1985, ano em que começou a cuidar de seus próprios negócios em iniciativa privada.

Matérias Relacionadas
Homem na Lua
Era Espacial: Saiba mais sobre a origem deste movimento que influenciou uma década inteira
Estrelas além do tempo
Conheça as mulheres reais que inspiraram o filme ‘Estrelas além do tempo’
Jack White
Gravadora de Jack White celebra 7 anos com vinil no espaço; confira esta e outras façanhas já realizadas pela Third Man Records
Nasa Pôster Retrô
Nasa lança pôsteres retrô para atrair profissionais a Marte

Deixe um comentário

1 × 4 =